Como alterar o ícone de um blog em WordPress

Para alterar o ícone de um site em WordPress existem vários plugins, mas penso que um plugin que adiciona apenas uma linha de código pode ser dispensável.

Antes de tudo deverá possuir a imagem que pretende utilizar no formato .ico, caso contrário poderá utilizar um gerador de ícones. Existem várias aplicações para criar ícones, como por exemplo http://favicon.htmlkit.com/favicon/ .

O próximo passo é alterar ficheiro header.php, do tema que o seu blog WordPress está a usar. No ficheiro header.php introduza a seguinte linha de código entre as tag’s HTML <head> e </head>

<link rel=”shortcut icon” href=”<?php bloginfo(template_directory‘);?>/images/favicon.ico”>

O ficheiro “favicon.ico” é o nome do ficheiro da imagem que será usada como ícone do seu blog em WordPress.

O próximo passo é colocar no servidor a imagem em formato .ico. A imagem deverá ser colocada na pasta /images do tema que o blog está a usar, para isso use uma aplicação de FTP como por exemplo o Filezilla.

Neste momento o seu site já estará a usar um novo ícone.

António Travassos

A escrita para a web obedece a regras diferentes

A usabilidade de um site e o seu sucesso depende de uma comunicação eficaz.

A escrita para a web obedece a regras diferentes da escrita para papel. Publicar textos produzidos para papel na web não funciona e causa graves problemas de comunicação (e usabilidade).

Muitos dos problemas de usabilidade dos sites actuais devem-se ao uso de palavras inadequadas ou fraca organização de informação.

Com a evolução das plataformas de publicação (ex. WordPress.com, Blogger.com, Joomla) as questões tecnológicas tornaram-se secundárias para o sucesso da maioria dos sites.

As pessoas responsáveis por produzir e inserir informação nos sites deverão ter uma formação mínima em escrita para a web.

Aconselho a leitura dos seguintes livros:

Também se pode encontrar facilmente informação pesquisando acerca do assunto na web. Ignorem as regras de escrita para a web e irão condenar o vosso site ao fracasso.

Serviços gratuitos para divulgação de conteúdo através da Internet

Na Web o conteúdo é Rei. Se tem conteúdo interessante publique-o na Web usando os serviços gratuitos existentes. Este artigo sugere serviços adequados para vários tipos de conteúdo.

No início dos anos 90, eram necessários conhecimentos técnicos aprofundados para publicar um simples texto na Web.

Em 2011, existem inúmeros serviços gratuitos que permitem que qualquer utilizador da Internet consiga publicar na Web de forma rápida, simples e eficaz.

A oferta de serviços de grande qualidade é tão vasta, que é necessário ponderar com cuidado antes de investir na criação de um novo sítio web. É importante ter a certeza que o novo sítio web irá trazer valor acrescentado que justifique o investimento.

Na Web, o Conteúdo é Rei!

A tecnologia de publicação na Web tornou-se de tal forma acessível e barata, que cada vez mais, o que interessa é o conteúdo.

Todos os serviços apresentados são gratuitos, embora existam também versões pagas com funcionalidades adicionais. Para a maioria dos utilizadores, as versões gratuitas servem perfeitamente.

Publicação na Web

Serviços para publicação de conteúdo na Web

Genéricos

  • Vídeos
    • Vimeo: não tem limite de duração do vídeo
    • Youtube: muito popular mas a duração dos vídeos está limitada a 10 minutos
    • Blip.tv: para a produção de conteúdos regulares (e.g., diários) com grande duração (1h ou mais)
    • Miro Community – dedicado à criação de sites para a publicação de vídeos incluindo canais de distribuição através de Feeds e do leitor de vídeo Miro
    • Sapo Vídeos – focado na comunidade portuguesa
  • Palestras: Videolectures.net
  • Documentos: Scribd
  • Livros
    • Lulu: qualquer autor pode submeter o seu livro e receber uma comissão por cada venda.
  • Apresentações de projecções (slides): Slideshare.net
  • Publicação de textos/blogs
    • Blogger: a plataforma de blogs do Google
    • Posterous: muito fácil de configurar e começar a usar, permite interligação com redes sociais, dispositivos móveis e correio electrónico
    • WordPress: completo mas mais complexo de usar
    • Livejournal: ideal para actualizações diárias
  • Galeria de imagens: Flickr, Picasa
  • Informação institucional: Wikipedia, Google Knol
  • Agregação de serviços: Google Sites
  • Localizações geográficas e mapas: Google Maps, Sapo Mapas, Bing Maps

Temáticos

Disseminação e comunicação

Plataforma de tecnologia de informação a custo zero para uma organização

Os vídeos promocionais vão para o Youtube e a palestra de um distinto convidado vai para o Videolectures. Já os slides da última acção de formação organizada através do EventBrite vão ser alojados no Slideshare. A avaliação do formador foi preenchida através do SurveyMonkey.

Todos os meses o nosso responsável pela comunicação vai escrever um texto no Blogger, que será automaticamente divulgado através de RSS no nosso Twitter e página no Facebook. Para todo o mundo saber quem somos vamos criar uma página na Wikipedia.

A nossa galeria de imagens vai ficar no Picasa. Para finalizar, vamos colocar todos os links para os nossos conteúdos num Google Site, onde estará um mapa do Gmaps com a nossa localização.

Os produtos vão ser vendidos no Ebay, sendo facturados através do Paypal. Os nossos clientes poderão encontrar as respostas às suas questões no nosso Forumer, onde a nossa equipa de suporte colocará novas respostas sempre que necessário. Se necessário conversaremos com os nossos clientes através do Skype.

Para comunicações dentro de grupos fechados vamos usar o Google Groups. Estes grupos irão trabalhar em conjunto sobre documentos alojados no Google Docs, que no final serão publicados na Web ou partilhados com um conjunto restrito de pessoas. Todos os membros da empresa tem uma conta de correio electrónico no Gmail. Quando é necessário partilhar ficheiros muito grandes usamos o Dropbox.

Esta não é uma história hipotética. Muitas empresas já optam por usar estes serviços em vez de investirem no desenvolvimento e manutenção de sistemas próprios.

O melhor de tudo é que estes serviços estão ao alcance de todos.

Mas não vamos saber onde estão os nossos conteúdos

A maioria dos serviços permitem fazer cópias de segurança. É importante fazê-las de forma metódica e regular.

O problema não é onde estão os conteúdos, mas sim o perigo de perder o acesso aos mesmos.

Contudo, este problema já acontece com os computadores que temos nas nossas instalações. Basta que o computador se avarie e já não existam peças no mercado para ser reparado ou, que o software que usamos tenha sido descontinuado.

Para saber mais…

Os serviços apresentados são apenas exemplos da facilidade com que se pode publicar e comunicar através da Internet. Existem muitos outros:

Agradecimentos

Agradeço ao David Cruz pelas preciosas sugestões.

Textos em maiúsculas dificultam a leitura

O uso excessivo de capitalizações prejudica a comunicação. Palavras escritas completamente em maiúsculas levantam barreiras à comunicação e devem ser usadas de forma consciente e apenas em situações pontuais.

A razão pela qual se usam palavras todas CAPITALIZADAS na Web como tentativa de dar destaque é apenas histórica.

As máquinas de escrever e computadores primitivos não suportavam outras formas de ênfase como, por exemplo cor, negrito, tamanho ou tipo de fonte.

A existência da tecla “Caps Lock” nos teclados dos computadores foi herdada das máquinas de escrever.

Na prática, a tecla “Caps Lock” é pouco usada pelos utilizadores e origina frequentemente problemas, por exemplo, quando um utilizador se esquece dela activada e insere uma palavra-passe num formulário.

Esta situação é tão comum que o Windows 7 no formulário de login lança um aviso quando o Caps Lock está ligado.

Desde 1914 que vários estudos comprovam que palavras todas capitalizadas são mais difíceis de ler.

The use of all capitals should be dispensed with in every printing situation.
Tinker, Miles A. (1963), Legibility of Print.

O uso excessivo da capitalizações é um problema tão comum que até tem página na Wikipedia.

Como as ideias e as pessoas são mais persistentes do que a tecnologia, já ninguém usa máquinas de escrever mas continuam-se a capitalizar palavras inteiras para dar destaque.

Desvantagens de escrever apenas em maiúsculas

Obriga a ler letra-a-letra, atrasando a leitura

As pessoas identificam palavras, ou até mesmo frases completas, durante o processo de leitura.

Se contornarmos com um lápis um texto escrito em minúsculas obtemos uma linha ondulada. O cérebro humano desenha automaticamente este contorno e interpreta-o para identificar diferentes palavras.

Se desenharmos o contorno de um texto todo escrito em maiúsculas, o contorno de diferentes palavras é sempre um rectângulo, o que obriga o cérebro a ler letra-a-letra para identificar diferentes palavras.

É um erro de ortografia

A capitalização completa de palavras viola as regras de ortografia.

Conjuntos de palavras devidamente capitalizadas são rapidamente reconhecidas como entidades:

  • Presidente da República, Portugal, Salvaterra de Magos.

Mas perdem esta característica quando escritas estritamente em maiúsculas:

  • PRIMEIRO MINISTRO, FRANÇA, VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO.

Ocupa espaço excessivo numa página

O que pode obrigar à redução de espaçamentos entre blocos de informação distintos de uma página, degradando a sua estrutura e usabilidade.

Vantagens

  • Letras maiúsculas são mais legíveis a grande distância
  • São suportadas por todos os equipamentos de tipografia ou escrita digital.

Exemplo

Melhor do que conselhos e dogmas o melhor é testar.
Conte o tempo que demora a ler e copiar cada um destes 2 textos:

Texto 1

OS TEXTOS EM MAIÚSCULAS TÊM SIDO USADOS EM CABEÇALHOS DESDE O INÍCIO DA IMPRENSA ATÉ 1950S. NOS ANOS 1990S, MAIS DE 75 POR CENTO DOS CABEÇALHOS DOS JORNAIS NO MUNDO OCIDENTAL USAVAM LETRAS MINÚSCULAS.

A DISCUSSÃO ACERCA DO USO DE TEXTOS EM MAIÚSCULAS PARA CABEÇALHOS CENTRA-SE NO ÊNFASE ADICIONAL PROPORCIONADO PELAS MAIÚSCULAS VERSUS A MAIOR LEGIBILIDADE DAS LETRAS MINÚSCULAS.

COLIN WHEILDON CONDUZIU UM ESTUDO CIENTÍFICO COM 224 LEITORES QUE ANALISARAM VÁRIOS ESTILOS DE CABEÇALHO E CONCLUIU QUE OS CABEÇALHOS ESCRITOS EM MAIÚSCULAS SÃO SIGNIFICATIVAMENTE MENOS LEGÍVEIS DO QUE AQUELES ESCRITOS USANDO MINÚSCULAS.

(614 caracteres)

Texto 2

Os textos em maiúsculas são comuns também em fóruns online. São uma consequência inevitável do uso de computadores com suporte limitado de tipos fontes. Contudo, à medida que o formato de caracteres ASCII se tornou comum, a escrita de textos em maiúsculas ganhou o significado de “gritar” ou chamar a atenção para algo.

Assim sendo, as regras de boa conduta na Internet recomendam que não se usem textos em maiúsculas. Com excepção de casos, em que não seja possível usar negrito ou outra forma de enfatizar um texto.

Existe a prática de distinguir o apelido de pessoas escrevendo-o usando exclusivamente maiúsculas.

(615 caracteres)

Embora o número de caracteres seja igual, texto exclusivamente em maiúsculas ocupa mais espaço na página.

Para saber mais…